sábado, 4 de maio de 2013



Everton Jobim

The Pontifical Catholic University, the National Museum, and the Universitarian Institute of Researchs




______________________________________





"I defend the cause of the poor, of the manufacturer, of the tradesman, of the farmer, but above all, I defend the cause of humanity. My country is the world and my religion is to do good"



Thomas Paine





"A hero is an ordinary individual who finds the strength to persevere and endure in spite of overwhelming obstacles"



Christopher Reeve





"Fall down nine times; stand up ten times"



Japanese proverb





Charity is no substitute for justice witheld.



Saint Augustine





A true friend is someone who says nice things behind your back.





Wherever you go, no matter what the weather, always bring your own sunshine.



Anthony J. D'Angelo



If the other person injures you, you may forget the injury; but if you injure him you will always remember.



Kahlil Gibran



Time is very slow for those who wait, very fast for those who are scared, very long for those who lament, very short for those who celebrate but for those who love, time is eternal.



William Shakespeare



The past is never dead. It's not even past.



William Faulkner



Learn to see and appreciate the people who choose to understand you, with or without problems!



Good actions give strength to ourselves. And inspire good actions in others.



Plato



Never do anything when you are in a temper, for you will do everything wrong.



Baltasar Gracian



How much is our life worth if we don't stand for anything and conform to a trivial lifestyle that will leave us empty and unfulfilled when it's all set and done?





Those who cannot remember the past are condemned to repeat it.



George Santayana





Freedom is nothing else but a chance to be better.



Albert Camus





History is dedicated to those who went before us, so that upon reflection, we can learn from them, without repeating their mistakes, experiencing or inflicting their pain.



~ Anon





To be young, really young, it takes a long time.



~ Pablo Picasso





If you live your life out of memory, you live out of your history. That's what once was. If you live out of your imagination, you live out of your potential. That's what can be.



~ Unknown





It isn't that they can't see the solution,. It's that they can't see the problem.



~ Gilbert Keith





The public is wonderfully tolerant. It forgives everything except genius.



~ Oscar Wilde





"Periods of tranquility are seldom prolific of creative achievement. Mankind has to be stirred up." Alfred North Whitehead





“Spectacular achievement is always preceded by unspectacular preparation.” ~ Robert H. Schuller





"A creative man is motivated by the desire to achieve, not by the desire to beat others" A. Rand





You can tell whether a man is clever by his answers. You can tell whether a man is wise by his questions.

Naguib Mahfouz





A man was not made to shut up his mind in itself, but to give it voice and to exchange it for other minds.

~William Ellery





Never mistake knowledge for wisdom. One helps you make a living; the other helps you make a life



Eleonor Roosevelt





Happiness isn't something you postpone for the future. It is something you design for the present.



~Jim Rohn





Humor is just another defense against the universe.



~Mel Brooks





Don't look back, unless it's a good view.





The harder you work, the harder it is to surrender.



~ Vince Lombardi





Cherish every moment. You don't know when will it happen again.





The only reason for time is so that everything doesn't happen at once.



Albert Einstein





Life's challenges are not supposed to paralyze you. They're supposed to help you discover who you are.



~ Bernice Johnson Reagan





Life is an island in an ocean of loneliness, an island whose rocks are hopes, whose trees are dreams, whose flowers are solitude, and whose brooks are thirst.



~Kahlil Gibran





Love is a fire. But whether it is going to warm your heart or burn down your house, you can never tell.



Joan Crawford





We must have strong minds, ready to accept facts as they are.



~Harry S. Truman





Love does not begin and end the way we seem to think it does. Love is a battle, love is a war, love is growing up.



~James Baldwin





You come to love not by finding the perfect person, but by seeing an imperfect person perfectly.



~Sam Keen





All our sweetest hours fly fastest.



~Virgil





"If you can't feed a hundred people, then just feed one." Mother Teresa





Act as if what you do makes a difference. It does.



~William James





"People are unreasonable, illogical, and self-centered. Love them anyway."



Mother Teresa





Have a heart that never hardens, a temper that never tires, a touch that never hurts.

~Charles Dickens





If you want to know where your heart is, look to where your mind goes when it wanders.





All men's souls are immortal, but the souls of the righteous are immortal and divine.



Socrates





The risk of love is loss, and the price of loss is grief. But the pain of grief is only a shadow when compared with the pain of never risking love.



Hilary Stanton





Kind words can be short and easy to speak, but their echoes are truly endless.



~Mother Teresa



_____________________________



“Earth provides enough to satisfy every man's needs, but not every man's greed.” Mahatma Gandhi



“You can chain me, you can torture me, you can even destroy this

body, but you will never imprison my mind.” Mahatma Gandhi



_____________________________



When you fully trust a person without any doubt, you'll finally get one of two results: A person for life or a lesson for life.



..



A strong friendship doesn't need daily conversation; doesn't always need togetherness, As long as the relationship lives in the heart, true friends will never part



__________________________________________





** The name Everton orginated as an English name. It means hardy, brave, variant of Everard. Someone strong and brave like a wild boar, bow warrior



** Jobim family : Jobbins, Joblin, Jobling, Joplin, and Jopling. France.





____________________________________





Everton speaks



English, French, Italian, Spanish and Portuguese



_____________________________





Creativity, service, altruism, integrity, accountability, human dignity, and social justice.



Sensitivity to diversity, responsible leadership, excellence, environmental concerns, and lifelong learning.

_____________________________________





"My first, my last, my everything, and the answer to all my dreams. You're my sun, my moon, my guiding star. My kind of wonderful, that's what you are" "Eres el aire que respiro dentro de mi, te amare hasta el dia de mi muerte, eres mi realidad y mas. Desde cuando estas conmigo eres el sueño que me despierta, de mis sueños, te amarè hasta el dia de mi muerte. Cada cosa bella, que de vida hablarà. Tu seràs la voz" (Barry White and Luciano Pavarotti)



................



"Amigos para siempre means you'll always be my friend. Amics per sempre means a love that cannot end. Friends for life, not just a summer or a spring. Amigos para siempre. I feel you near me, even when we are apart. Just knowing you are in this world, can warm my heart. Friends for life, not just a summer or a spring. Amigos para siempre"

(Sarah Brightman)



.............

Favorite Quotations

The genius of democracies is seen not only in the great number of new words introduced but even more in the new ideas they express.



Alexis de Tocqueville



All of us who are concerned for peace and triumph of reason and justice must be keenly aware how small an influence reason and honest good will exert upon events in the political field



Albert Einstein



Take good things from bad things. Take good things from the western culture and put down bad thing apart



....



Thomas Paine :



"I defend the cause of the poor, of the manufacturer, of the tradesman, of the farmer, but above all, I defend the cause of humanity.

The world is my country, all mankind are my brethren, and to do good is my religion."



"I love the man that can smile in trouble, that can gather strength from distress, and grow brave by reflection. 'Tis the business of little minds to shrink; but he whose heart is firm, and whose conscience approves his conduct, will pursue his principles unto death."



"A thing moderately good is not so good as it ought to be. Moderation in temper is always a virtue, but moderation in principle is always a vice"



"The cause of America is, in a great measure, the cause of all mankind"

..........................



"The will of the people is the only legitimate foundation of any government, and to protect its free expression should be our first object"



"Conquest is not in our principles. It is inconsistent with our government"



(Thomas Jefferson)

............................................



America :



E Pluribus Unum : "Out of many, one"



..



Free and open society, the balance of the fundamental values of liberty, equality and community, no one shall be enslaved by poverty, ignorance or conformity. Fair taxes for all.



...........



"Question with boldness, for if there is a God, He must surely prefer bold questions to blind faith"



(Thomas Jefferson)



.........................



"Justice is primarily a possible, but not a necessary, quality of a social order regulating the mutual relations of men. Only secondarily it is a virtue of man, since a man is just, if his behavior conforms to the norms of a social order supposed to be just. But what does it really mean to say that a social order is just? It means that this order regulates the behavior of men in a way satisfactory to all men, that is to say, so that all men find their happiness in it. The longing for justice is men's eternal longing for happiness. It is happiness that men cannot find alone, as an isolated individual, and hence seeks in society. Justice is social happiness. It is happiness guaranteed by a social order"



(Hans Kelsen)



...........................



“Two things awe me most, the starry sky above me and the moral law within me.”



(Immanuel Kant)



..............



“To employ the coercive apparatus of the state in order to maintain manifestly unjust institutions is itself a form of illegitimate force that men in due course have a right to resist.”



“Ideally citizens are to think of themselves as if they were legislators and ask themselves what statutes, supported by what reasons satisfying the criterion of reciprocity, they would think is most reasonable to enact.”



(John Rawls)



..................



John Kenneth Galbraith :



"It has been the acknowledged right of every Marxist scholar to read into Marx the particular meaning that he himself prefers and to treat all others with indignation."



"All of the great leaders have had one characteristic in common: it was the willingness to confront unequivocally the major anxiety of their people in their time. This, and not much else, is the essence of leadership"



"It is a far, far better thing to have a firm anchor in nonsense than to put out on the troubled seas of thought"



"The enemy of the conventional wisdom is not ideas but the march of events"



" The modern conservative is engaged in one of man's oldest exercises in moral philosophy; that is, the search for a superior moral justification for selfishness"



"The only function of economic forecasting is to make astrology look respectable"



..



'Keynes thought that in the end, ideas ruled the roost; Galbraith thought it was structures of power. He looked for amelioration of social conditions'



.............................................



"Be faithful in small things because it is in them that your strength lies"



"If you can't feed a hundred people, then feed just one"



"Loneliness and the feeling of being unwanted is the most terrible poverty"



(Mother Teresa)



..............................................



“Give thanks for a little and you will find a lot”



(The Hausa of Nigeria)

.............................................



"The assumption that animals are without rights and the illusion that our treatment of them has no moral significance is a positively outrageous example of Western crudity and barbarity. Universal compassion is the only guarantee of morality."



(Schopenhauer)

............................................



Mahatma Gandhi :



"When I despair,

I remember that all through history the ways of truth

and love have always won.

There have been tyrants,

...and murderers,

...and for a time they can seem invincible,

but in the end they always fall.



Think of it ... always."





“I like your Christ. I do not like your Christians. They are so unlike your Christ"



"Happiness is when what you think, what you say, and what you do are in harmony"



“Be the change you want to see in the world”



"Honest disagreement is often a good sign of progress"



"Hate the sin, love the sinner"



"I object to violence because when it appears to do good, the good is only temporary; the evil it does is permanent"



"I want freedom for the full expression of my personality"



"Strength does not come from physical capacity. It comes from an indomitable will"



"The weak can never forgive. Forgiveness is the attribute of the strong"



"You must be the change you want to see in the world"



"You must not lose faith in humanity. Humanity is an ocean; if a few drops of the ocean are dirty, the ocean does not become dirty"

.................................



Alexis de Tocqueville, Democracy in America



"Americans are so enamored of equality that they would rather be equal in slavery than unequal in freedom"



"In politics shared hatreds are almost always the basis of friendships"



"Liberty cannot be established without morality, nor morality without faith"



“The Americans combine the notions of religion and liberty so intimately in their minds, that it is impossible to make them conceive of one without the other”



"Nothing is more wonderful than the art of being free, but nothing is harder to learn how to use than freedom."

.......................



“Man cannot discover new oceans unless he has the courage to lose sight of the shore”



(Andre Gide)

.......



"Emergencies' have always been the pretext on which the safeguards of individual liberty have been eroded"



"The progress of the natural sciences in modern times has of course so much exceeded all expectations that any suggestion that there may be some limits to it is bound to arouse suspicion"



(Friedrich August von Hayek)



.......................................



"That which does not kill me, makes me stronger"



(Friedrich Nietzsche)

....................................



"A genuine leader is not a searcher for consensus but a molder of consensus"



"A lie cannot live"



"A right delayed is a right denied"



"Every man must decide whether he will walk in the light of creative altruism or in the darkness of destructive selfishness"



"The great glory of American democracy is the right to protest for right"





(Martin Luther King, Jr.)



....................................................................



La difficulté attire l’homme de caractère, car c’est en l’étreignant qu’il se réalise lui-même.



L'autorité ne va pas sans prestige, ni le prestige sans l'éloignement.



Les choses capitales qui ont été dites à l’humanité ont toujours été des choses simples.



Charles de Gaulle



............................................................



"All virtue is summed up in dealing justly."



"A true friend is one soul in two bodies"



"All human actions have one or more of these seven causes: chance, nature, compulsions, habit, reason, passion, desire"



"Democracy arises out of the notion that those who are equal in any respect are equal in all respects; because men are equally free, they claim to be absolutely equal"



"Democracy is when the indigent, and not the men of property, are the rulers"



"Dignity does not consist in possessing honors, but in deserving them"



"Education is an ornament in prosperity and a refuge in adversity"





(Aristotle)







As the ego cogito, subjectivity is the consciousness that represents something, relates this representation back to itself, and so gathers with itself.





Being and time determine each other reciprocally, but in such a manner that neither can the former, Being, be addressed as something temporal nor can the latter, time, be addressed as a being.





But every historical statement and legitimization itself moves within a certain relation to history



(Martin Heidegger)





"All men by nature desire knowledge"



"At his best, man is the noblest of all animals; separated from law and justice he is the worst"



"Character may almost be called the most effective means of persuasion"



"Both oligarch and tyrant mistrust the people, and therefore deprive them of their arms"





(Aristotle)



..



Education starts the digmity, while giving you the virtue in your soul

................



"Wise men talk because they have something to say; fools, because they have to say something."



(Plato)





"Ignorance, the root and the stem of every evil"



"Man...is a tame or civilized animal; never the less, he requires proper instruction and a fortunate nature, and then of all animals he becomes the most divine and most civilized; but if he be insufficiently or ill- educated he is the most savage of earthly creatures"



"No human thing is of serious importance"



"You can discover more about a person in an hour of play than in a year of conversation"



"False words are not only evil in themselves, but they infect the soul with evil"



(Plato)

..........................



“Ideas shape the course of history.”



“It is better to be roughly right than precisely wrong”



“The difficulty lies not so much in developing new ideas as in escaping from old ones.”





(John Maynard Keynes)



............................



"According to the ideology of the American Dream, America is the land of limitless opportunity in which individuals can go as far as their own merit takes them. According to this ideology, you get out of the system what you put into it. Getting ahead is ostensibly based on individual merit, which is generally viewed as a combination of factors including innate abilities, working hard, having the right attitude, and having high moral character and integrity. Americans not only tend to think that is how the system should work, but most Americans also think that is how the system does work (Huber and Form 1973, Kluegel and Smith 1986, Ladd 1994).



In our book The Meritocracy Myth (Rowman & Littlefield, 2004), we challenge the validity of these commonly held assertions, by arguing that there is a gap between how people think the system works and how the system actually does work. We refer to this gap as “the meritocracy myth,” or the myth that the system distributes resources, especially wealth and income, according to the merit of individuals"



Stephen J. McNamee

Robert K. Miller, Jr.

.................................................



Albert Einstein





"Imagination is more important than knowledge."



"Science without religion is lame. Religion without science is blind."



"Anyone who has never made a mistake has never tried anything new."



"Common sense is the collection of prejudices acquired by age eighteen"



"Two things are infinite: the universe and human stupidity; and I'm not sure about the the universe."



“Perfection of means and confusion of ends seem to characterize our age”.



........................................................



"Mankind is poised midway between the gods and the beasts"



(Plotinus)

........................................................



Ordoliberals



Ordoliberals were influenced by Aristotle, Tocqueville, Hegel, Spengler, Karl Mannheim, Max Weber, and Husserl.



........................



Martin Heidegger :





"Man is not the lord of beings. Man is the shepherd of Being"



“Man acts as though he were the shaper and master of language, while in fact language remains the master of man.”



"Being and time determine each other reciprocally, but in such a manner that neither can the former, Being, be addressed as something temporal nor can the latter, time, be addressed as a being"



"But every historical statement and legitimization itself moves within a certain relation to history"



"To think Being itself explicitly requires disregarding Being to the extent that it is only grounded and interpreted in terms of beings and for beings as their ground, as in all metaphysics"



"Transcendence constitutes selfhood"



"The most thought provoking thing in our thought-provoking time is that we are still not thinking"

...........................................................................



Charles de Gaulle :



"Je suis un homme qui n'appartient à personne et qui appartient à tout le monde"



"La politique, quand elle est un art et un service, non point une exploitation, c'est une action pour un idéal à travers des réalités"

"Le talent est un titre de responsabilité"



"Le patriotisme, c'est aimer son pays. Le nationalisme, c'est détester celui des autres"



"Peut-être la politique est-elle l'art de mettre les chimères à leur place ? On ne fait rien de sérieux si on se soumet aux chimères, mais que faire de grand sans elles"



"La grandeur a besoin de mystère. On admire mal ce qu'on connaît bien"



"L'ambition individuelle est une passion enfantine"



"Church is the only place where someone speaks to me and I do not have to answer back"



"I have against me the bourgeois, the military and the diplomats, and for me, only the people who take the Metro"



"I have come to the conclusion that politics are too serious a matter to be left to the politicians"

...........................................................................





"Think like a man of action, and act like a man of thought"



"Revenge is a poison meant for others, which we end up swallowing ourselves"



"Love is the song of the soul, a symphony of sorrow and joy"



Safdar Niazi



"The best things in life are not things"



"The mind is like a parachute. It doesn’t work unless it’s open"



"The only time you run out of chances is when you stop taking them"



"Vengeance is a Dark Light that blinds all who seek it"



"Predictions are nothing but warnings, until they happen"



"Life is only as good as you make it"



"To prevent a mistake is better than to correct it"



"Tough times last, but tough people must last longer"



"To understand the heart and mind of a person, look not at what he has already achieved, but at what he aspires to"



.....................................................................



"It must be borne in mind that the tragedy of life does not lie in not reaching your goal. The tragedy of life lies in having no goal to reach"



"It's your road and yours alone. Others may walk it with you, but no one can walk it for you"



"The greatest boundaries that we face in our lives are very often the ones we ourselves creates in our minds."



"It is better to be a failure at something you love than to be a success at something you hate"



"Everyone wants to be your sun, but what someone really needs is a moon so it can light up your darkest moments when your sun isn’t around"



"Money won't buy happiness, but it will pay the salaries of a large research staff to study the problem"



~ Bill

Vaughan



"Do not bargain for fish which are still in the water"



"Use your eyes for sight, but see with your heart. Use your ears to hear, but listen with intuation. Use your feet to move, but let your soul lead the way"



"Don't go through life, grow through life"



Eric Butterworth



"It is possible to store the mind with a million facts and still be entirely uneducated"



~ Alec Bourne



"In words, love can be read. In actions love can be measured. But others don't know that even in silence, love can be heard."



"A fools brain digests philosophy into folly, science into superstition and art into pedantry"



~George Bernard Shaw



"Ethics is the activity of man directed to secure the inner perfection of his own personality"



"Do something for somebody everyday for which you do not get paid"



Albert Schweitzer



"Music gives a soul to the universe, wings to the mind, flight to the imagination, and life to everything." Plato



"Every gun that is made, every warship launched, every rocket fired, signifies in the final sense, a theft from those who hunger and are not fed, those who are cold and not clothed" Dwight Eisenhower



"Japanese attitude for work: 'If one can do it, I can do it. If no one can do it, I must do it.'



"If darkness is the absence of light, hunger is the absence of food, then we can consider that anything we hate is the absence of something else. And all we need to do is search for what's missing, instead of sitting down and crying over what we hate and cannot change."



"Education is what survives when what has been learned has been forgotten."



"Friendship is the outcome of two persons in harmony who met together by chance and decided to continue as friends by choice"



C. S. Lewis writes in his book Mere Christianity,

“My argument against God was that the universe seemed so cruel and unjust. But how had I got this idea of just and unjust?"



"What we would like to do is change the world, make it a little simpler for people to feed, clothe, and shelter themselves as God intended them to do. And, by fighting for better conditions, by crying out unceasingly for the rights of the workers, the poor, of the destitute.... We can throw our pebble in the pond and be confident that its ever widening circle will reach around the world." Dorothy Day



"It is not true that people stop pursuing dreams because they grow old, they grow old because they stop pursuing dreams." Gabriel García Márquez



"The world will not be destroyed by those who do evil, but by those who watch them without doing anything." A. Einstein



When everything seems to be against you, remember that the airplane takes off against the wind, not with it.

~ Henry Ford



They always say time changes things, but you actually have to change them yourself.

~ Andy Warhol



“If you wish to experience peace, provide peace for another.”



Dalai Lama



"If we become as unjust as the enemy it makes us no better than the enemy"



Priscilla M. Dicus



You dont drawn by falling in water,you drawn by staying

there.



Forgiveness is better than revenge, for forgiveness is the sign of a gentle nature , but revenge is the sign of a savage nature.

~Isaac Friedman



"We should not judge people by their peak of excellence, but by the distance they have travelled from the point where they started."



Earth provides enough to satisfy every man's need, but not every man's greed.

~Mohandas Gandhi



"A fool tells you what he will do; a boaster what he has done. The wise man does it and says nothing."



Nature has planted in our minds an insatiable longing to see the truth.

~ Cicero



"Silence can sometimes connect the dots , better than any word can"



"Doubt will keep hitting you, even if you are on the right track."



When I talk to people in need, they tell me they want to hope; they are eager for opportunity; they are ready for better days. And I can tell you that every time their hopes are disappointed, all nations lose.



(Abdallah II)



Reason itself is fallible, and this fallibility must find a place in our logic.



(Nicola Abbagnano)



"Walk with the dreamers, the believers, the courageous, the cheerful, the planners, the doers, the successful people with their heads in the clouds and their feet on the ground."



If you are afraid of being lonely, don't try to be right.



(Jules Renard)



My biggest fear is that I will become too comfortable with the idea of being lonely for the rest of my life.

There is no greater sorrow than to recall in misery the time when we were happy.



(Dante)



No one would choose a friendless existence on condition of having all the other things in the world.



(Aristotle)



Hatred paralyzes life; love releases it.



Hatred confuses life; love harmonizes it.



Hatred darkens life; love illumines it.



(Martin Luther King, Jr)



Life isn’t about finding yourself. Life is about creating yourself.



(George Bernard Shaw)



The mind that is anxious about future events is miserable.



(Seneca)



Don't waste your life in doubts and fears: spend yourself on the work before you, well assured that the right performance of this hour's duties will be the best preparation for the hours or ages that follow it.



(Ralph Waldo Emerson)



In prosperity, our friend know us. In adversity, we know our friends.



~John Churton Collins



The beginning of wisdom is found in doubting, by doubting we come to the question, and by seeking we may come upon the truth.



~Pierce Abelard



"If you're intelligent, you're admired. If you're wealthy, you're envied. If you're powerful, you're feared. But if you're blessed with a good heart, you're remembered".



Carve a tunnel of hope through the dark mountain of disappointment.



~ Martin Luther King



Edison failed 10,000 times before he made the electric light. Do not be discouraged if you fail sometimes.



~ Napoleon Hill



"We never know the love of parents for us till we have become parents"



~ Henry Ward Beecher



"People say you don’t know what you’ve got till it’s gone. Truth is, you knew what you had, you just never thought you’d lose it"



Trouble is a part of your life, and if you don't share it, you don't give the person who loves you a chance to love you enough.



~ Dinah Shore



The most important of life's battles is the one we fight daily in the silent chambers of the soul.



~ David McKay



Sometimes it's the smallest decisions that can change your life forever.



~ Keri Russel



"There is gonna be something in life that are going to make it hard for you to smile, but through all you see, all the rain and all the pain, you have to keep your sense of humor and keep on smiling."



"Being defeated is often a temporary condition. Giving up is what makes it permanent."



"It is lawful for a man to hold private property" but "Man should not consider his outward possessions as his own, but as common to all, so as to share them without hesitation when others are in need..."



Thomas Aquinas



What we want most is a secret that no one can tell us



No man is truly married until he understands every word his wife is not saying.



Theories are private property, but truth is common stock.



Caleb Colton



The roughest road often leads to the top.



Christina Aguilera



Happiness is not an illusion, pain is not imagination, reality is not a dream.



Face the facts of being what you are, for that is what changes what you are.



Soren Kierkegaard



One repays a teacher badly if one always remains nothing but a pupil.



Nietzsche



Be good and you will be lonesome.

~Mark Twain



“Everything happens as if the enormous sense of disillusionment provoked both by the collapse of the Communist brand of mystification and by the silly spectacle of the actual functioning of ‘democracy’ were leading everyone to lose their will to bother themselves any more about politics in the true sense of the term, the word itself having become synonymous with crooked schemes and suspect maneuverings.”

Cornelius Castoriadis



In law, a man is guilty when he violates the rights of others. In ethics, he is guilty if he only thinks of doing so.

~Immanuel Kant



''

Life is like an embroidered cloth which each in their half of the existence can be seen to the right, in the second the reverse: the latter is not so nice, but more instructive, because it makes us see the tangle of wires.

''
Arthur Schopenhauer

:: ::


''
Queira na sua lista de amigos aqueles que o tiveram como amigo quando você nada tinha a oferecer
''

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Everton Jobim

***********************************************

Everton Jobim

Sociologist, Professor of Social Anthropology and Political Science

formed at the Pontifical Catholic University, the National Museum

and the Universitarian Institute of Researches of Rio de Janeiro

***********************************************




Everton Jobim é Professor de Antropologia Social, formado pelo Museu Nacional da UFRJ, a Universidade do Brasil, e é também Professor de Ciência Política.

Suas teses acadêmicas apresentadas na Pontifícia Universidade Catolica, PUC RJ, e na UFRJ, respectivamente, versaram sobre as "Primeiras Influências de Nietzsche sobre o Pensamento Social Brasileiro" e sobre a teoria de Claude Lévi-Strauss, o estruturalismo antropológico.

No trabalho sobre a filosofia de Nietzsche, buscou identificar as causas que explicam os modos diferenciados de apreensão que a sua obra testemunhou no Brasil e na Europa. Enquanto em nosso país, Niezsche foi preferencialmente acolhido pela intelectualidade de esquerda (socialistas e anarquistas), no exterior, a sua recepção mais enfática ocorreu, principalmente, no âmbito das correntes conservadoras e filo-fascitas. A tese procura contextualizar as leituras sobre Nietzsche no ambiente histórico-cultural em que se realizaram, a fim de explicar as razão para essa diferença no seu modo de apreensão. Destaca entre os intelectuais brasileiros mais influenciados por Nietzsche : Monteiro Lobato, Elysio de Carvalho, Graca Aranha e Otávio Brandão.

A tese sobre Claude Lévi-Strauss, por seu turno, procurou resgatar aspectos de sua teoria pouco explorados e que propiciam ao estruturalismo desdobrar seus limites em face das teorias que o consideram uma corrente teórica superada e incapaz de lidar com a mudanca histórica e a ação. A tese também relaciona a obra de Lévi-Strauss ao pensamento de Heidegger (a chamada 'ontologia fundamental') e filosofia francesa mais contemporânea (Deleuze, Derrida e Francois Lyotard).

Analisa, por fim, a opinião de Levi-Strauss sobre o destino da civilização ocidental e o seu relacionamento com as culturas nativas, bem como algumas questões filosóficas e religiosas da mais alta relevância, apresentadas no conjunto de sua obra.

Em outra tese, em Ciência Política / IUPERJ, analisou a doutrina social-liberal de José Guilherme Merquior no debate com os neoliberais, e também com outras correntes do pensamento político, sejam conservadoras ou de esquerda. Incluindo pensadores das mais diversas matrizes como Hegel, Kant, Burke, Michelet, Green, Hobhouse, Hobson, Reale, Taylor, Berlin, Bobbio, Kelsen, Dworkin, Tocqueville, Locke, Hobbes, Weber, Polany, Morgenthau, Schumpeter, Gellner, Hayek, Mises, Keynes, Apel, Habermas e Rawls.

O foco da pesquisa foi o avanço histórico da ordem liberal-democrática, com a positivação universal dos Direitos Humanos, cujo marco é fundação da ONU, e o desenvolvimento do pensamento social-liberal.

Everton Jobim também trabalha criticamente a obra de autores como Robertson Smith, Max Weber, Karl Rahner, Emmanuel Mounier, Edward P. Thompson, Paul Ricouer, Padre Henrique Lima Vaz, Pierre Bourdieu, Antonio Negri, Scott Mainwaring, Giddens, Hall e Dahendorf, entre outros.

sábado, 14 de março de 2009


Objetos temáticos

O direito natural de caráter historicista ou de conteúdo variável (Stammler , Del Vechio), o jusnaturalismo racionalista (Hugo Grócio, Pufendorf), o formalismo jurídico de Immanuel Kant, o decisionismo de fundamentação metajurídica que constitui o ordinalismo concreto de Carl Schmitt, o positivismo jurídico de Hans Kelsen, o consequencialismo e o contextualismo que constituem o chamado pragmatismo jurídico; a escola do direito alternativo e a escola realista. O Direito Repressivo e Restitutivo (Emile Durkheim).

Os clássicos, o pensamento liberal e democrático (Hobbes, Locke, Montesquieu, Rousseau, Tocqueville, Mill). Os Federalistas (Madison, Jefferson, Jay and Adams), a democracia americana, república constitucional (Hanna Arendt).

O neoliberalismo (Mises, Hayke e Friedman) e a crítica a Keynes e Rawls

A ênfase é a judicialização da vida social (Kelsen, Hart, Dworkin, Alexy, Rawls e Habermas)

.....................



O Anarquismo, liberal, individualista, o anarco capitalismo
e o de esquerda, coletivista, sindicalista

Autores


A. Rand
Nozick
Rothbard
M Friedman
F Hayek
L Mises
e
Bakunin
Kropotkin
Proudhon

::

A justiça distributiva

Estado de Bem Estar / Social Democracia

:: ::

Social Liberalismo

R Aron
J Rawls
N Bobbio
H Kelsen
J G Merquior
Hobhouse
Green
M Reale

::

Movimento Ocupa Wall Street a crítica do poder econômico nos EUA e no mundo

As origens e fundamentos do Tea Party e seus efeitos no Partido Republicano

::

O Islã e suas vertentes doutrinárias.
A primavera árabe, perspectivas.

::

J Habermas e A Negri, a crítica das condições ideais de fala na ordem global

::

Heidegger e Deleuze, o resgate da filosofia da história, compatibilização da ontologia fundamental com o pensamento histórico.

::


Brasil

problemas sociais, politicos e economicos, desafios e soluções

Era FHC, Lula e Dilma

::

Direito e sociedade

judicialização da vida social, entendendo o fenômeno

A superação do positivismo, linhas doutrinárias do ativismo

O conflito de principios

Dworkin e o Caso Elmer
Alexy
Hart

::

Igualdade de condições e de oportunidade

Hayek e Rawls

libertarianismo e social democracia

::

Comunitarismo
Multiculturalismo

::

O contratualismo clássico
Hobbes, Rousseau e Locke

::

Midia americana

Os limites do jornalismo opinativo

:


A critica da globalização

O diálogo com Habermas

A teoria da dependência

Pensamento Unico

Fim da História

Fukuyama
Perry Anderson
E Wallerstein

Marx além de Marx

Antonio Negri, multidão, império e a república do comum

Autonomia Operária

Teoria clássica

Teoria pós moderna

Multidão

Direito constitucional

Biopolitica / Biopoder

Agamben

::

Adorno e Popper

Bobbio e Habermas

Dialética, diálogo, evolução da democracia liberal

::

Marilena Chaui

Hegel
Espinosa
Montaigne
Sebastianismo

::

Sociologia das Religiões
Teologia da Libertação
Teologia da Prosperidade

Desintegração institucional e o saudosismo português

**********************************************

Os leigos na vida da Igreja Católica

Na década de 60 e 70 após o terremoto que foi o Concilio Vaticano II surgiram várias teses modernistas que afirmaram a necessária desclerificação da Igreja Católica, sua desintegração institucional com a ampla presença dos leigos na sua vida litúrgica, isso tem origem, basicamente, no pensamento de J. Maritain e em autores mais remotos, e foi desenvolvido pela Teologia da Libertação, na forma de uma protestantização da Igreja, que foi objeto de ataques inflamados dos tradicionalistas como a TFP e a FSSPX.

Com João Paulo II e Ratzinger na Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé essa tendência foi revertida. E hoje com Ratzinger no papado, ela se tornou mais frágil ainda, a verdade, contdo, é que o CVII efetivamente abriu um espaço muito grande para os leigos na vida da Igreja, ainda que não ocorrendo a desclerificação, ouve uma abertura, no meu entendimento, o problema não é a abertura ao laicato, mas a falta de unidade doutrinária; e a desclerificação é obviamente impossivel porque dogma da Igreja.

Os teólogos da libertação no Brasil tematizaram muito essa questão, que suscitou grande controvérsia.

Everton Jobim

*******************************************************************************


O saudosismo português


Os integralistas portugueses como Antônio Sardinha, não consideravam Salazar o ideal político para Portugal, pois eram monarquistas, o salazarismo acolheu muito das idéias místicas do movimento saudosista da Nova Renascença de Teixeira de Pascoaes, Leonardo Coimbra, Jaime Cortesão e Álvaro Pinto.

Antônio Sérgio romperia com o movimento tempos depois.

Gilberto Freyre admirava os três Antônios, Antônio Sardinha, pensador nacionalista e católico, Antônio Sérgio, racionalista, republicano, e Salazar republicano e católico reacionário.

Mais textos de Everton Jobim

*****************************************************************************
Tema diversos

Artigos I

Artigos II

Artigos III

Artigos IV

quinta-feira, 12 de março de 2009

Pierre Bourdieu x Anthony Giddens e Christopher P.

Esses dois autores concentram suas análises e reflexões na problemática da transformação das estruturas sociais, na construção de uma teoria baseada na práxis que evite conceitos de reprodução (irrefletida) dos sistemas sociais, como descritos pelo funcionalismo, cada um com um conjunto de categorias aptas a fornecerem as condições sociológicas para tal, Bourdieu com os seus famosos campos e hábitos.

Rejeitando, portanto, o tratamento conceitual dos agentes como simples suportes de estruturas e de sua lógica de operação.

De um lado, temos Althusser, Parsons e Luhmann, de outro lado, Foucault e os micro poderes, ou Weber com a distinção entre poder e domínio -- ou seja, um ato unilateral no qual se impõe a vontade de um agente, e a obediência a uma ordem de conteúdo definido, aceita como legitma por todos; entre essas duas vertentes inserem-se as abordagens de Bourdieu e Giddens.

Portanto, uma teoria que trate dos mecanismos de transformação social, com a interrupção da reprodução de uma ordem e o inicio de uma nova estruturação, de modo intencional.

O esforço teórico desses autores é o de construir uma teoria que faça a conexão entre as possibilidades de transformação através da ação individual, da subjetividade, e sua inserção em estruturas de funcionamento objetivo, evitando a reprodução teórica de antigas clivagens que são insuficientes para o entendimento do objeto que se tem em consideração, superando esses limites teóricos.

Os indivíduos herdam um conjunto de saberes e práticas, e no continuo processo interativo podem promover a transformação social, através do aprendizado que ocorre no relacionamento contínuo entre os sujeitos sociais. A inovação, a transformação social não é, obviamente, algo linear, simplificado, mas fruto de uma prolongada reprodução de novos padrões, visto que a sensação de segurança, de confirmação do seu estoque de saberes, de reconhecimento entre os indivduos que interagem, é um fator sociológico fundamental para o entednimento do processo social e da persistência de antigos padrões. A língua não apenas atua numa função descritiva de uma realidade constituida, através das regras gramaticais e semânticas introjectadas, mas é também o meio para a transformação social, para o impulso à mudança.

A categoria privilegida por Bourdieu é o habitus e a possibilidade de transformação centrada na sua introjeção, notadamente, através do processo educativo.

Os objetivos teóricos desses autores são, basicamente, os mesmos, com algumas pequenas variações no significado das categorias usadas, na questão, por exemplo, da reflexividade, na relação dialética entre campos e "habitus", ou agência e estrutura nos termos de Giddens, nesse sentido, esses autores avançam no sentido oposto ao de autores como Hayek, por exemplo, que relevam sobremodo a importância da tradição, da sabedoria da tradição, condenado as tentaivas de inovação ou transformação social, através de referencias racionalistas sócio-teóricos.

Portanto, a língua, falada e escrita, antecipa significados da ação, presentificando-os, visto já estarem presentes no estoque de saberes ou nos bens simbolicos possuidos pelos agentes, como também, se afigura como a possibilidade, por excelência, para as re-significações, para novas interpreações, novas leituras de símbolos, de categorais sociais, de valores, que, obviamente, não afetam imeditamente as estruturas globais, mas que demarcam a gênese, ou o inicio do processo de transformação social, que exigirá uma interação prolongada, um reconhecimento por um grupo cada vez maior e etc. Ou seja, pela ampliação dos significados entre grupos na sociedade, entrando em cena a mídia, o sistema escolar, universitário, as lutas políticas e etc. Novos significados que nascem na nossa subjetividade, nas influências que recebemos da rede de interações em que estamos inseridos, e que se objetivam, ao longo desse processo. Aqui, poderiamos discorrer sobre Durkheim, Husserl e sobre a sociologia fenomenológica, afim de entendermos melhor esse processo.

O efeito, como dito, em ambos os autores, é o de ensejar processos de transformação social, de re-significação, ou seja, de desenvolvimento de novas categorias que alicerçam novas interações sociais, de ser, enfim, a via pela qual a mudança é possível, não de modo linear, mas complexo, lento; alterando o padrão de reprodução simbólica da sua cultura específica. Os individuos, nesse processo, reelaboram os significados culturais, ao refletirem sobre o seu estoque de conhecimento. Estruturas não existem separadas das ações de individuos, estes não são simples efeitos das operações estruturais, mas, muito ao contrário, são essas ações que geram e reproduzem as estruturas.

A questão central é a articulação entre a ação dos sujeitos e a estrutura social, viabilizando a possbilidade de transformação; para tal, os autores analisam os padrões de distribuição dos recursos materiais e os sistemas de classificação e sentido, objetivando identificar as possibilidades de mudança num dado momento do processo histórico. Eles utilizam conceitos de estrutura de Lévi Strauss e também da escola sociológica.

Giddens não admite a abordagem teórica de grupos como se fossem grandes indivíduos, aptos a realizarem a reflexão que caracteriza a ação individual, ele não aceita o tratamento personficado das classes sociais. Os atores são sempre individuais. A estrutura é um propriedade de organizações e sistemas, que se realiza através das ações individuais, exibindo persistência nas comunidades ao longo do tempo. As estruturas definem balizamentos da conduta e as vias de transformação, através da reflexão dos agentes. Elas existem na linguagem, mas se formam na prática, na realidade do encontro intersubjetivo. Giddens recusa a abordagem do etruturalismo que entende as estruturas como um conjunto de relações que determinam os significados, o significado é gerado na prática, no seu uso; ele inverte a lógica de produção do sentido do estruturalismo.

A sociologia de Giddens propõe novos conceitos, abandona categorias clássicas relativas à sociedade e ao individuo, centra suas análises na continuidade da vida social ou na sua recursividade, na qual se estabelece uma relação dialética entre sujeito e objeto, ação e estrutura, reprodução e inovação. Bourdieu segue linha muito semelhante.

É preciso ter muito cuidado para não se cometer o equívoco, muito frequente, de entender que a crítica de Giddens ao estruturalismo de Lévi-Strauss, no qual os modelos e as operações estruturais são elaborados em elevado grau de abstração, o conduz a uma visão substantiva da estrutura social, nos termos propostos pela teoria de Radcliffe-Brown, a estrutura segundo Giddens também não pode ser observada, ela, contudo, é real, se realiza e se transforma no curso da vida social, na prática cotidiana, na interação de esquemas individuais de entendimento da realidade social, na manipulação, enfim, das categorias pelos indivíduos.

Na obra de Lévi Strauss existem vários aspectos que favorecem à leitura do estruturalismo de Bourdieu e Giddens, para a surpresa de muitos.

O próprio Lévi Strauss insinua a possibilidade de se superar as dicotomias entre diacronia e sincronia, estrutura e história, a ação e esquema classificatório, na direção de algo além do estruturalismo.

Heidegger e Gadamer são pensadores fundamentais nessa perspectiva, nas novas significações que os agentes conferem à existência individual e coletiva, nos sentidos que o Dasein, no seu eterno questionar sobre o sentido do ser, elabora.

A realidade social, portanto, é entendida por Giddens como recursiva e inovadora, instituída e instituinte, coercitiva e habilitadora, estruturada e estruturante, e nessa dialética, o processo social pode assumir diferentes direções, ou não, mas o que se postula é que as transformações são possíveis no médio e longo prazo, que nascem com os indivíduos, e avançam gradualmente, no processo interativo, entender com ocorre a mudança e a persistência de padrões é o objetivo dos dois teóricos, identificar todas as potencialidades de um sistema, e como ele, a cada momento, está aberto a novos significados, ou a seguir a opção do conhecido, do seguro, da tradição. Ou ainda, como pode programar o ritmo das mudanças. É na observação da prática social, da conjunção de esquemas de percepção da realidade social que o sistema cultural recebe novas categorias, novas leituras de antigos conceitos e a sociedade assume novas regularidades, engendrandro novas estruturas.

Podemos dizer que esses autores assumem uma crítica parcial ao estruturalismo, eles não o rejeitam na totalidade, não abandonam, por completo, a perspectiva teórica de identificar estruturas que presidem relações signicas, nos respectivos universos simbólico-culturais, mas realizam uma reformulação de seus elementos conceituais, de modo a propiciar um tratamento consentâneo com as realidades sociais, empiricamente, observadas, no que concerne à temática da ação, da diacronia, da história, da dinâmica das instituições e da criação e doação de sentido. Eles desejam incorporar as contribuições das escolas hermêuticas, da ação social e etc. Constroem uma teoria que incorpora categorias de correntes - a principio - antagônicas, tentando realizar aquilo que se afirma insuficiente no estruturalismo, a análise mais aprofundada do simbolismo, da vida cultural específica de uma sociedade, da evolução social e etc. A realidade empírica não pode ser entendida como um mero efeito das operações estruturais, muito ao contrário, os significados culturais têm sua gênese na prática social, é dela que se formam e se transformam, as estruturas, em processo dialético.

Esses dois autores exibem uma preocupação profunda com o fenômeno da globalização, Bourdieu defende um movimento social internacional, nos moldes do fórum social, ele critica a hegemonia neoliberal no processo de globalização e na mídia. Giddens propõe uma "terceira via" entre o liberalismo e o socialismo, e reflete sobre os esquemas empregados pelos indivíduos para compensarem os efeitos da globalização.

O conceito de habitus adquire enorme relevo, nesse contexto, tendo em vista o fato de que é, através dele, que as biografias e as identidades sociais são construídas, e os meios para se refletir sobre estas também. O habitus atua como mediador entre as ações individuais e a conjuntura da experiência. Ele integra a experiência, fornece diretrizes, exercendo efeitos prolongados nos sujeitos que lançam mão dessa matriz de percepção da realidade social, para realizarem infinitas atividades no cotidiano. Essas predisposições são fundamentais para o desdobramento do processo social, porque podem concorrer para a perpetuação da realidade entificada, da naturalização do mundo social, ou para a sua crítica, a partir de um descentramento, de um estranhamento reflexivo pelos indivíduos, que enseja o engendramento de novos significados e instituições. O habitus é o instrumento de que dispõem os indivíduos para interagirem socialmente, reproduzindo ou reformulando essas disposições, elas não necessariamente implicam em determinismo, sequência objetivista, mas devidamente explorado, notadamente, no processo de introjeção educacional, pode infletir determinadas linhas e características culturais.

Ele se transforma na prática apesar de possuir autonomia em relação à realidade recursiva, evitando a passividade, a ausência de reflexão e crítica, tipica de uma aceitação natural da realidade social. Muitos autores criticam essa competência do habitus para abarcar a totalidade das práticas sociais.

E não podemos deixar de nos referir, neste momento, a toda uma reflexão sociológica de Giddens da maior relevância, sobre as características da modernidade, sobre a questão da modificação da nossa concepção de espaço e tempo, em face da visão pré-moderna, ainda marcada por uma ligação muito próxima entre a atividade econômica e o ciclo natural, com a força das identidades locais ainda muito presente, e que são substituídas por um mundo regido por uma noção universal do espaço e do tempo, da cidadania planetária, da informação universal, dos códigos que ensejam segurança social, da universalização da ciência e da técnica, da presença de uma categoria fundamental, nesse processo, que é o “equivalente geral”, que o dinheiro representa, e que permite um relacionamento além dos limites do espaço do tempo e da sua própria cultura, e assim por diante, sem falar nas formas de violência simbólica, da exclusão social e etc.

Devemos, também, mergulhar na discussão central de Bourdieu que se define no relacionamento entre o poder social e os bens, de que são titulares os agentes sociais, nas lutas classificatórias que constituem as relações hegemônicas, na mobilização de bens simbólicos, nas categorias que se tornam dominantes, no papel dos intelectuais nesse processo, na forma como atuam, nos meios que inventam para divulgar suas idéias, na interiorização das regras do jogo em cada campo que permite a conquista de posições. O habitus reflete, portanto, o modo coletivo de um grupo ou classe, se conduzir socialmente e definir o papel da individualidade, os estilos de vida, os gostos e etc, e as possibilidades de inovação.

Portanto, Giddens parte das análises sociológicas de Durkheim, da problemática da integração social, da coesão, do controle de tensões, do temor da anomia, da reprodução de padrões, de estruturas simbólicas, que oferecem sentido ao mundo no qual os sujeitos agem, sem a consciência de que seguem regras introjetadas, que possuem papel coercitivo, e que são transformadas na prática, no encontro cotidiano. Ele parte da idéia de que a ordem simbólica se constitui na prática social, ou seja, o uso, o conceito partilhado pelos grupos, é a fonte da estruturação social, e não um conjunto prévio de estruturas que gerariam, através de suas operações, os significados das categorias entre os indivíduos e grupos.

O que caracteriza a modernidade é, assim, a emergência dessa consciência, a percepção do esvaziamento das formas de vida social, pautadas por hábitos e tradições irrefletidas, insuscetíveis de crítica e reformulação, a emergência da idéia de que a sociedade é feita por ações intencionais, conscientes, sem apelo a autoridades de fundamentação metafísica. Tocqueville já refletira sobre a característica das sociedades modernas, nas quais a experiência, a tradição, perdem importância em face das experiências novas que são vivenciadas pelos indivíduos, implicando, freqüentemente, no recurso a soluções contextuais, pragmáticas. Toda tradição para sobreviver, deve se adaptar ao contexto social global ou local, no qual ainda possua um sentido diretivo para os indivíduos.

Giddens está plenamente consciente das limitações da comparação entre a língua e as regras sociais, mas não pode deixar de se referir às analogias existentes, pois interagimos buscando reconhecimento ou o alcance de objetivos com os recurso cognitivos que possuímos por conta da nossa formação, contribuindo, tanto para reproduzir essas regras como para mudá-las.

Trata-se de uma sociologia que recolhe contribuições teóricas do funcionalismo, da escola sociológica francesa, do estruturalismo antropológico, da sociologia fenomenológica, do marxismo, da sociologia compreensiva, da teoria crítica e das correntes hermenêuticas, e intenta a construção de uma alternativa teórica aos paradigmas consagrados por essa correntes.

Agora, afirmar que a empresa intelectual de Giddens e Bourdieu foi bem sucedida, na sua totalidade, é outra questão, se que é que se pode dizer isso de alguma teoria, eu, não obstante, considero esse tipo de perspectiva da maior importância, simpatizo muito e a aplaudo entusiasticamente.

Importante enfatizar que o processo de introjeção do habitus, se realiza de forma diferenciada, segundo as assimetrias existentes na sociedade, as distribuições desiguais de bens simbólicos, materias e de poder, segundo as visões de mundo de grandes grupos sociais, de classes; remetendo, portanto, à problemática que domina as abordagens de Marx, Weber e Foucault.

A questão fundamental de Giddens é refletir, ou seja, pensar os conceitos, as categorias, seu significado atual, a evolução de seu sentido coletivo, através do processo histórico, e as possibilidades de renovação semântica das categorias com as quais os agentes orientam suas vidas e pensam o futuro.

Tudo, em ciências sociais, passa pelo significado, pela semântica, e pelo valor que os indivíduos conferem a essas categorias, consequentemente um determinado sistema simbólico se transforma quando suas possibilidades são atualizadas concretamente.

Nesse momento, entra o pensamento de Heidegger e a questão fundamental do sentido que o Dasein, ou o "ser no mundo", confere à existência em termos individuais e coletivos, como o Dasein repensa a tradição e a sua origem, como o Dasein constrói a sua história e fundamenta a existência.

Não se trata de uma essência que se realiza na existência, mas de uma perspectiva dinâmica da existência que ao se distanciar das categorias naturalizadas, reificadas, as relativiza, não as considera naturais ou necessárias e institui novos fundamentos ou diretrizes da ação individual e coletiva. É da capacidade de sair da objetivação, de estranhar ou questionar seus princípios e valores que o homem transforma sua história individual e coletiva.

Mas esse processo não é simplisticamente pensado como acessível a individuos isolados, mas como algo que nasce da reflexão e se fortalece na interação, no grau de reconhecimento ou de partilha com os demais, no contexto do contato e de mútua afetação das percepções de mundo distintas.

A questão do poder e do saber são inseparáveis, as formas de dominação política jamais se sustentam, de modo prolongado, apenas pelo recurso ao uso da força, existem alianças estratégicas, manipulação de bens simbólicos, aceitação da legitimidade de governantes, segundo algum critério, como Weber tão bem descreve, e etc. E existem as formas de violência simbólica, as práticas discipliniares, os discursos que são excluidos, normatizados e etc. Portanto, a constituição do habitus reflete essas lutas por poder e saber, entre grupos diversos e grupos muito grandes, como as classes sociais e etc. As idéias e os valores dominantes coexistem com formas antagônicas, de modo mais ou menos tenso. Todo poder gera um saber e se realiza através dele; e não há saber que não gere uma relação de poder ao seu redor.

Então, nesse enquadramento da análise, ganha relevo a questão do significado dominante em que a globalização tem se constituido.

Por que a lógica mercantil, a leitura econômica, utilitária é a hegemônica ?

Por que o discurso da racionalidade e eficiência econômica quase esmaga os demais fenômenos envolvidos nesse processo ?

Será que não sobra espaço para as sociedades realizarem combinações de princípios, segundo a hierarquia axiológica de seu contexto histórico-cultural, nos balizamentos do processo de difusão dos princípios liberal-democráticos e da economia de mercado ?

Quais os mecanismos que conduzem a essa hegemonia ?

Seria a publicidade, o poder da mídia, a lógica utilitária, a sociedade de consumo -- a idéia limitada de modernidade com a exaltação, pura e simples, do crescimento econômico e da busca de padrões de consumo como os existentes nos países mais ricos -- o fator fundamental ?

Não há espaço para alternativas ?

Esses autores afirmam que há, e que deve ser explorado em todos os seus aspectos.

Numa abordagem de corte determinístico, o que os agentes podem fazer é apenas tentar antecipar ou adiar a ocorrência de eventos necessários, num processo previamente conhecido pela teoria, reproduzindo, assim, a ideologia de sua origem de classe, por exemplo.

Numa abordagem não determinística, ou limitadamente, determinística do processo histórico, existem alternativas. Este é entendido como mais rico de possibilidades algo, portanto, que instiga a criatividade das lideranças sociais e políticas. Além disso, não se pode esperar de grupos e instituições o mesmo comportamento que apenas os individuos possuem, afirma Giddens, é deles que nasce a mudança, mas não é apenas com o esforço individual, e, sim, com a ampliação da rede que interage numa convergência de percepções da realidade. Na capacidade social de difundir novos significados através de grupos cada vez maiores

Esse tipo de corrente teórica não tem porque entender a hegemonia da lógica econômica da globalização a partir de um abordagem determinista, visto não aceitar que os movimentos políticos, sociais e culturais encontram-se relacionados a uma instância privilegiada como ocorre no caso do marxismo clássico. Os poderes políticos e econômicos não possuem a capacidade de afetar os fenômenos sociais de uma maneira linear viabilizando uma explicação redutora. Estão, de fato, presentes e sua ação são da maior importância, mas não podem ser pensados sem uma série de mediações e restrições. Do contrário, a sociologia produzida por esses autores reproduziria as análises clássicas do marxismo. Eles não adotam esse tipo de perspectiva porque sabem que a ordem democratica possui uma série de instrumentos que podem se contrapor de modo eficaz a esses poderes, contendo sua influência exagerada ou determinante.

A reflexão de Giddens é o inverso do processo de naturalização, ou reificação da consciência, que carateriza a alineção experimentada pelos agentes históricos inseridos no cotidiano das relações sociais. A reflexão corresponde a um despertar para a possibilidade da mundança e para a consciência de como se realiza a mudança social, algo que os teóricos concorrem para suscitar. O papel do intelectual é, portanto, de fundamental importância nesse processo, na mídia, na formação da opinião pública, dos estudantes, nos debates intelectuais, pois a sua inserção e o seu acúmulo de saberes é um fator de intensificação da crítica, das reavaliações categorias que se processam no curso da vida social.

Everton Jobim

............................

Modernidade e pós modernidade
Império e Multidão
Direito Constitucional
em Antonio Negri e Michael Hardt

Examinar o processo externo ao da constitucionalização é o objetivo de Negri e Hardt.

A judicialização entendida como contenção do poder ilimitado da multidão. A constitucionalização, nesses termos, como restrição imposta à potência criativa ilimitada do verdadeiro soberano.

Os princípios liberais ou a democracia lida pelo iluminismo constituem uma unilateralidade datada. Deve ser entendida como algo datado porque fruto de uma visão que se impôs num dado momento, mas que foi e é sempre contestada por um sujeito que não tem estabilidade, fundação inamovível, ou dogmática, a multidão. Uma ordem de singularidades cooperantes onde tudo acontece ao mesmo tempo

A criatividade do 'mundo da vida' questionando e propondo novas leituras sobre o que pode o povo histórico.

A proposta de libertação das amarras limitantes e empobrecedoras do poder formal, a conquista da autonomia pensada por Rousseau e Kant, através da democracia radical, absoluta, é o objetivo fundamental das reflexões de Negri e Hardt

O estudo do avanço das múltiplas liberdades portadas pela multidão e dos esforços de contenção legal jurídico política através de autores como Maquiavel, Sieyes e Tocqueville revela que estes pensaram o modo de conter o crescimento histórico das demandas populares de modos diferentes, mas, ao mesmo tempo, revelaram possibilidades concretas de ampliação das liberdades públicas

A tensão dialética entre democracia e liberalismo expressa de forma sintética essa realidade histórica vivida no Ocidente

O poder constituinte nascendo da soberania popular, ao mesmo tempo negando toda uma outra série de demandas dessa mesma soberania, revela a contradição fundamental do pensamento juridico e a evolução política do Ocidente.

O renascimento italiano foi contido, refreado, arrefecido, as revoluções atlânticas
codificaram as liberdades em termos liberais, uma tentativa de regulação completa, exaustiva, de algo que, por definição, não pode ser inserido em formas redutoras, empobrecedoras. Uma nova natureza é o que a multidão, não amarrada a um fundamento transcendente, pode produzir

Desse modo, descortinada tal visão do ser social, a ordem legal passa a ser entendida como algo a ser sempre enriquecido, ampliado, alterado, através de um direito constitucional próximo da ontologia da multidão, mais flexível, aberto à crítica e à cognição da realidade histórica

Não orientar se apenas em termos de reação, mas tomar a iniciativa, iniciar a ação, a contestação e apresentação de demandas e questionamentos, uma postura proativa.

Essa democracia da multidão não se representa, não pode ser representada, ela é radical, está sempre além dos limites da democracia procedimental e rejeita a apropriação do soberano por alguns que atuam nas frestas do ordenamento juridico, para definir 'quem pode o quê', ou definir a interpretação comum dos termos constitucionais.

A multidão é a produção contra a sobrevivência parasitica, "a vida contra o vampiro", 'queremos as liberdades instituidas mas queremos sempre criar demandas por direitos novos'.

Essa multidão não conhece a lógica instrumental porque tudo está nela, aquilo que existe nela não requer um Estado, uma lei, uma ação instrumental ou um domínio da tecnocracia, para ter efetividade.

Essas convenções são necessárias apenas porque ainda existem limites espaciais e possibilidades materiais limitadas de atendimento dessas demandas, sob uma lógica global da produção e reprodução do capital e da distribuição de seus bens, lógica na qual, essas liberdades que vigoram na multidão não podem ser admitidas no plano administrativo de modo pleno.

São pontos de equilibrio entre singularidades que se definem na interação,
mas não constituem uma estabilização definitiva

O mundo da vida é um mundo não normatizado, um mundo anárquico, um mundo da gênese de mundos, o mundo que interrompe o funcionamento dos sistemas para interpelar seus conteúdos, interpelações éticas sobre o funcionamento de sistemas anônimos, impessoais, de engendramento autônomo, com poder para infletir sua lógica

Evento original, singularidade generalizada, o pacto original, ou contrato fundacional, lido como o poder constituinte originário estabelece limites, a partir dessa gênese, um mundo de normas de engendramento autônomo nos termos do positivismo jurídico se estabelece

Contudo, a multidão, o derradeiro poder constituinte, não pode ser representada, não pode ser limitada, não se submete aos limites da democracia representativa, ao sufragismo, à mecânica da eleição de meia dúzia de indivíduos e ao processo de interpretação e controle de constitucionalidade por meia dúzia de iluminados

Confinar a democracia nos limites da democracia representativa e o poder constituinte nas regras criadas pelo constitucionalismo significa a negação do pode constituinte sob a aparência de poder criador do parlamento ou das cortes superiores

Limites temporais e espaciais são restrições paradoxais ao poder absoluto do soberano original e permanente que é a multidão, o legislador inalienável

A lógica do formalismo jurídico, baseada na criação de norma a partir de normas anteriores, é um artificialidade, na medida em que a norma fundante, é um ato arbitrário de limitação de um poder, por definição, ilimitado, desse modo o direito constitucional mais próximo da ontologia da multidão é abertura, aceitação da crítica continua, institucionalização, sim, mas também, como base para acréscimos, e janela para revisões e retificações

O império limita a soberania do Estado Nação, ainda mais na medida em que as possibilidades de deliberação e criação de normas que obrigam a todos é limitada pelo constitucionalismo

Internamente tudo se passa como se a Constituição fosse o começo do universo e dentro dos seus limites nada pudesse romper certos princípios que são, na verdade, autoimpostos, pelos mais diversos critérios unilaterais

O soberano irredutível é a multidão, vibrante, múltipla inquieta e ela não conhece fronteiras, apenas estabilizações momentâneas, por isso a luta é externa ao Estado, ao aparato constitucional e é mundial, de modo a tornar lutas locais, lutas globais e assim infletir a lógica global dos mercados integrados e as possibilidades de transformação regional

O constitucionalismo é o esforço sistemático por negar esse poder constituinte original que repousa na multidão, o desenvolvimento de uma parafernália de regras encadeadas que visa regular o uso das liberdades constitucionais e solucionar sua eventual colisão.


Everton Jobim

sábado, 7 de março de 2009

A Escola de Frankfurt e a Dialética do Esclarecimento

O tema de “O Conceito de Esclarecimento” é a descrição do projeto emancipador da razão e o caráter incompleto de sua realização, questão que foi objeto de reflexões por Marx.

O Iluminismo nasceu como um movimento que pretendia libertar o homem da ignorância, da alienação do seu poder de decisão para uma esfera supostamente transcendente, desconhecida, não acessível à razão; tornando o homem senhor de si.

Na verdade, tratava-se, apenas, de uma transferência do poder de decisão de um grupo de homens para outro, segundo a leitura marxista e antes do positivismo.

Acreditava-se que a razão e a ciência permitiriam ao homem assenhorar-se de seu destino, conhecer os processos objetivos da natureza e da sociedade e organizar a vida de modo racional e livre. Mas isso que parecia ser um belo projeto para a humanidade, se transformou numa ideologia que, ao contrário, de dar sequência plena aos objetivos “das luzes”, desfigurou esse idéia, largamente, ela se tornou uma caricatura. O domínio do capital, do interesse econômico, a razão instrumental e o pragmatismo mais desprovido de princípios tomaram conta da cena histórica e a alienação e os mitos que todos desejavam sepultados foram plenamente restabelecidos na ordem liberal-burguesa, surgiu um novo encantamento.

O ideal racionalista tornou-se um anêmico conjunto formal de declarações, com mínima eficácia real na vida das pessoas, imperou a instrumentalização intensa do ser humano, a cobiça, o lucro, a ideologia da produção a todo custo

A reflexão atrofiou-se, a sociedade ficou privada da critica; sempre tratada como
disfuncionalidade. Tudo que fazia parte da lógica da produção foi naturalizado, entificado, empobrecido sem permitir espaço substantivo para
a radicalidade da critica, a própria cidadania se estiolou em formas mecânicas de exercício democrático.

A ciência e a tecnica deram as mãos aos interesses do capital e a seu projeto de ampliação dos mercados e de arregimentação dos povos distantes, em nome de um falso ideal civilizatório

A crítica de Frankfurt à sociedade moderna, ao modo como o projeto iluminista foi conduzido, recebe as influências notórias de Max Weber, sua visão frustrante do futuro das modernas democracias ocidentais, mas se pretende mais radical. A problemática da racionalização não tem como questão central o avanço inexorável da burocracia, dos especialistas ou mecânicos cumpridores de normas, mas reflete uma ideologia petrificante, associada à lógica do capitalismo avançado, à impossibilidade da critica eficaz e das vias de transcendência ou transformação social. O avanço da razão instrumental inviabiliza a ampliação dos horizontes sociais.

As propostas de Weber para mitigar o poder das burocracias são evidentemente consideradas inadequadas para a inflexão histórica desse quadro. Então temos um processo de esvaziamento do mito e da magia, uma libertação proporcionada pela razão, na ótica dos autores, mas a criação de um novo mito, uma contradição profunda passa a atravessar o movimento, a libertação do homem através da razão, o escraviza em novas formas de pensamento mitológico, aqueles protagonizados pela ordem burguesa, e tudo isso vai gerar novas tensões antinômicas no interior da razão ocidental, que Nietzsche, por exemplo, nos iluminou profundamente com suas reflexões. Surgirá uma corrente vitalista, uma corrente que exalta a vida, e ataca o positivismo, a razão e a ciência, a concepção tradicional da razão será entendida como mais uma forma de submissão dos indivíduos.

Devemos, contudo, destacar, neste momento da discussão, que o pensamento religioso, também, sofreu significativas alterações no tratamento das complexidades do mundo moderno, admitindo dialogar com o pluralismo das visões de mundo existente nas sociedades modernas, reconhecendo a autonomia da ordem secular para escolher suas instituições e regimes políticos, a existência de organizações de trabalhadores na defesa de seus interesses profissionais, a democracia constitucional e uma série de outros elementos que constituem a contemporaneidade. Portanto, as críticas liberais, iluministas, socialistas, foram recebidas e abordadas dentro dos balizamentos da doutrina cristã, seja por católicos como pelas confissões protestantes. Portanto, pensar a religião nos termos de uma autocracia, ou de uma teocracia, é uma visão completamemente desfiguada do pensamento religioso majoritário europeu, principalmente, a partir da segunda metade do último século.

Ainda que na primeira metade do século, tenham se formado grupos reacionários de enfrentamento das forças mais radicais do pensamento de esquerda em processos de contestação violenta da ordem democratica vigente, em cada nação européia. A crítica de Nietzsche, por exemplo, ao cristianismo é obviamente uma caricatura, direcionada a determinados momentos da sua história, seja no campo católico ou da Reforma, nos quais destacaram-se determinados esteriótipos consagrados pela história como a corrupção da renascimento, a venda de indulgências e etc.

Como a emergência da sociedade moderna, democratica e igualitária, verificou-se o fim da hegemonia das concepções da sociedade caracterizadas por virtudes como o heroísmo, o sacrificio, a destreza militar, tudo isso cedeu lugar à ideologia burguesa, amante das liberdades individuais, da sacralidade das mesmas, da aversão à intervenção do poder público, da garantia das regras do jogo, da previsibilidade das leis e do governo impessoal da burocracia profissional.

Se o ideal iluminista afirmou a universalidade do homem, o império da razão, o secularismo, a elevação moral e intelectual de todos, a reação romântica exaltou, como resposta, a história especifica das nações, sua história lendária, seus heróis, sua singularidade, sua visão mística. Então, temos uma reação ao pensamento liberal, de esquerda - anarquista, comunista revolucionária - e uma outra nostálgica que dará vida a formas de fascismo.

Se o pensamento mítico, mágico, considerava os entes naturais dotados de alma, ou se considerava a natureza objeto da intervenção de um ser consciente, de uma grande alma, a civilização da industria e da técnica transforma aquilo que é efetivamente consciente, inteligente, dotado de poder de reflexão, em objeto da natureza, em coisa, como peça de uma engrenagem da qual ele é parte fundamental, mas que não pode exercer seu poder de crítica, sob pena de comprometer, com suas heresias e blasfêmias, o sagrado funcionamento dessa engrenagem. Cria-se uma nova religião, um novo dogma, o comportamento humano é ditado pelo valor dos bens. As coisas produzidas pelos homens são tratadas como objetos fantásticos, encantados, com vida própria, sem que aquele que as produziu com seu trabalho, físico e intelectual, se reconheça neles. A padronização de comportamentos é afirmada como algo natural, qualquer coisa dissonante é irracional, indigna e etc. O bem, portanto, é a reprodução da lógica produtiva dos bens materiais e simbólicos, a exaltação da sua objetividade pretendida.

Existe uma violência, não apenas, física, criminalizadora, mas principalmente simbólica. São técnicas de disciplinamento dos individuos. Aqueles que poderiam exercer um papel de transformação disso tudo, se tornam passivos expectadores ou cumpridores das normas que emanam, supostamente, de forças superiores aos individuos, mas que, na verdade, correspondem, perfeitamente, a interesses econômicos e políticos determináveis, identificáveis. A lógica disso tudo se torna inacessível, como os poderes mágicos dos povos sob universos mitológicos, a idéia que se difunde é a da impossibilidade de interferência positiva, crítica, nessa realidade.

Mas da mesma forma como a história da humanidade foi uma sucessão de universos simbólicos que desmoronaram diante de novas ordens sociais que se afirmavam como possuidoras da verdade, a burguesia, ao liberar forças sociais e econômicas, sem precedentes, ao fazer ruir todo o universo de crenças que vigoravam antes de sua emergência como classe hegemônica, também criou a sua antítese histórica e não pode lidar com ela, sem recorrer à repressão. Da mesma forma como as organizações sociais mergulhadas em concepções mitológicas faziam. O esclarecimento, portanto, trazia o germe da negação dos princípios e valores daqueles que foram seus protagonistas originais. A burguesia estava incapacitada de dar prosseguimento ao projeto iluminista, à luz da crítica marxista.

Everton Jobim

.....................................................................

Império, Multidão, Comunidade

Negri e Hardt

Não há fim da história como pensou Hegel ou Marx.

Há o fim das teorias da história com um fim, com uma teleologia, uma síntese dialética suprema.

A história é feita de múltiplas possibilidades, sem teleologia, sem certeza, tudo acontece ao mesmo tempo na multidão.

Sempre devemos estar abertos à crítica e retificação, idas e vindas caracterizam os acontecimentos históricos.

Essa é a ontologia da história que Deleuze nos propõe.

O capitalismo criou as possibilidades para a sua transformação pacífica.

A biopolitica

Inclusão política na categoria de vida, vida digna, aperfeiçável continuamente através das lutas e reivindicações coletivas.

A tensão entre o soberano que reside na multidão e sua continua autolimitação caracteriza o poder constituinte que edifica os ordenamentos juridicos e seus limites.

Um direito constitucional atento a essa realidade da práxis é uma exigência da pós modernidade.

Novos sentidos, novos significados, novos entendimentos sempre presentes na multidão, podem emergir periodicamente.

Toda instituição visa estabelecer soluções para conflitos presentes e ser uma base para a institucionalização futura.

A potência da multidão propõe liberdades,e a sua regulação é estabelecida a partir da interação entre singularidades, proposições erguidas à condição de lei com poder de coerção.

A regulação do conflito, o que podem os sujeitos históricos reivindicar e como essas liberdades são distribuidas constituem um fluxo da biopolitica.

A multidão cria as liberdades e sua regulação/restrição é feita pela lógica imperial,

Lei legitima, Estado Nacional, indivíduo e coletividade são co-originais, nascem juntos, segundo Habermas

Exploração e alienação se verificam em relação ao trabalho simbólico, imaterial.

Este tipo de trabalho é o que possui valor na realidade atual do capitalismo, pois afeta diretamente a produção material.

Forças produtivas aprisionadas por velhas formas, disciplinadas; limitadas, apropriadas pela lógica do império, exigem libertação.

Lutas nacionais são insuficientes, Estados e classes também são insuficientes para explicar e mudar a lógica do capitalismo mundial.

Lutas mundiais são fundamentais, bem como a eleição de políticos comprometidos com políticas de bem estar social e inclusão da população marginalizada.

O fim da idéia de revolução decorre de um entedimento equivocado sobre as crises, estas persistem e a ruptura é a rejeição de um sitema de verdades e justiça.

A democracia formal objetiva controlar a potência da multidão e deve ser permanentemente confrontada pela democracia que vive e vibra na multidão

A globalização e suas diretrizes atuais encontram-se em oposição à vida que move a multidão, de onde muitos mundos diferentes podem emergir

O conceito de devir hegeliano cede lugar ao conceito de Deleuze, não um processo que nasce do não ser ao ser incessantemente até uma síntese histórica definitiva, mas infinitas relações que crescem e minguam, perdem e ganham força, mas nunca efeitivamente param, são apenas contidas por uma lógica que nega a diversidade, a democracia absoluta, que se define como a busca da máxima expressão das singularidades e não a sua restrição

Incluindo a definição de pessoa e os direitos inerentes a tal definição, Negri fala em singularidades como um conjunto de possibilidades que se restringem ou ampliam em interação, e não de um conjunto estático de principios relacionados com um absoluto transcendente ou de leituras estáticas e anêmicas do Comum

Pactos e novos pactos, constituição e modificação de categorias afetas a povo, nação, sociedade, comunidade e etc

As diferentes leituras do Comum feitas pelos teóricos sociais, leituras positivas, ou seja, favoráveis ao avanço da democracia e leituras reacionárias.

O comunitarismo e as tentativas de identificação de princípios específicos relativos a universos culturais distintos e a sua harmonia com princípios universais da ordem liberal democrática.

PRINCÍPIOS QUE UNEM IDIVIDUOS DE UMA COMUNIDADE E QUE POSSUEM PRECEDÊNCIA QUANDO
COTEJADOS COM OUTRAS SOCIEDADES, NÃO SE SUBMETENDO AO CÁLCULO UTILITÁRIO

MAS SEMPRE NOS BALIZAMENTOS DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DA PESSOA HUMANA

Exemplos :

Comunidade e sociedade
Sociedade Folk
Grande e pequena tradição
Pátria, família, religião
Solidariedade orgânica e mecânica
Gunsa/Gunlao

Sartre buscou conciliar o marxismo com o existencialismo. Ou seja, a liberdade individual, cada indivíduo construindo seu destino e os condicionamentos sociais e a alienação ideológica e política descritos pelo materialismo histórico que limitam as possibilidades históricas dos homens

Sendo a sociedade futura o reino dessa liberdade e autonomia do homem, nos termos do existencialismo francês

Sartre propõe a unificação de projetos individuais num mesmo projeto histórico, superar o olhar alienante do outro; o outro não sendo mais o inferno, mas sim um companheiro para se construir um projeto comum

Idéia de Heidegger sobre a existência autêntica, questionar os sentidos que fundamentam o nosso mundo, cabe ao Dasein, portanto, ser no mundo com o outro autêntico, participes de um mesmo processo de questionamento do sentido do ser e da existência

Várias correntes existencialistas desenvolveram-se no último século, incluindo o existencialismo cristão

O homem, ser de relação, que se define no encontro, na abertura, no diálogo, na partilha de experiências e não como a mera atualização de uma essência aqui e acolá, como afirmava a tradição teológica e outras concepções filosóficas

O homem cujo ser é não ter natureza definida, mas ser um conjunto de possibilidades antecipadas não cessa de renovar seus desejos e objetivos existenciais e históricos

A razão dialética permite superar, transcender uma conjuntura histórica, a razão formal é desprovida desse poder, afiram Sartre

O homem constrói sua história com a riqueza da experiência, a práxis, ele parte de um conjunto de saberes e cria uma espécie de segunda natureza, cosncietiza-se da sua condição social e busca a transformação

O homem, o ser ai, encontra-se existindo e depois reflete sobre a origem.

Os mais diferentes sentidos originais ou fundacionais do ser informam diferentes historicidades

Fatores que distorcem esse questionar :

Para Marx a sociedade de classes, as relações materiais de produção e os efeitos ideológicos que produz.

Para Heidegger, o domínio da técnica e da razão do ente, da subjetividade, da instrumentalização do mundo que oculta o ser.

Em Negri, não há classe e nem Estado, tampouco a razão dialética, existe a práxis, as singularidades crescendo e contraindo-se, aqui e acolá, constituindo a multidão, em sua relação de resistência e tentativa de superação em face da lógica restritiva do império que define quais as liberdades podemos usufruir e como solucionar o conflito entre elas.

Abordagem simultânea do método e da prática, cultura, ideologia e as relações de produção.

A dialética negativa, ausência de síntese, ruptura de limites conceituais.

A causalidade estrutural, o efeito de uma ausência, a crítica de Bourdieu e Giddens.

Romper limites categoriais, impedir a reificação categorial, através da pressão popular e das interpretações constitucionais audaciosas.

O todo questionando o sistema a todo momento, flexibilidade constitucional um imperativo.

Práxis e a penhora da totalidade, sem comum não há multidão e toda ação da práxis enriquece o comum.

Fim das mediações dialéticas, criação do nada, tensão fundamental império / multidão imposição de restrições e tentativa de romper limites.


Everton Jobim